terça-feira, 25 de março de 2008

Um pesar nada mecânico - Zeca morreu há 21 anos, um mês e dois dias

José Afonso morreu, fez no passado dia 23 de Fevereiro, 21 anos... Parece que foi ontem... Só hoje é que consegui colocar aqui um post à sua memória. Que descanse em paz, pois para nós estará sempre vivo!! E porque as datas não devem ser lembradas apenas no dia em que acontecem



A MORTE SAÍU À RUA

A morte saiu à rua num dia assim
Naquele lugar sem nome para qualquer fim
Uma gota rubra sobre a calçada cai
E um rio de sangue de um peito aberto sai

O vento que dá nas canas do canavial
E a foice duma ceifeira de Portugal
E o som da bigorna como um clarim do céu
Vão dizendo em toda a parte o Pintor morreu

Teu sangue, Pintor, reclama outra morte igual
Só olho por olho e dente por dente vale
À lei assassina, à morte que te matou
Teu corpo pertence à terra que te abraçou

Aqui te afirmamos dente por dente assim
Que um dia rirá melhor quem rirá por fim
Na curva da estrada hà covas feitas no chão
E em todas florirão rosas de uma nação
José Afonso

2 comentários:

J L disse...

Se me permites, amigo Filipe, Zeca Afonso morreu há 21 anos mas continua bem vivo no meio de nós. A sua música possui o dom da intemporalidade pese o combate que conjunturalmente lhe deu ainda mais força para compor e cantar. Louvo a oportunidade do teu 'post'.

Abraço.

Filipe Lopes disse...

Caro amigo e companheiro de pena e da blogosfera, é sempre bom receber notícias tuas, nem que seja num comentário a um post meu :)
Perfeitamente de acordo contigo!
Abraço